2013/11/28

NAUA promove Workshop de Fotografia Digital

No dia 30 de Novembro irá decorrer um Workshop de Fotografia Digital, organizado pelo Núcleo de Ambiente da Universidade dos Açores. A formadora será Maria João Carvalho, que irá focar aspectos técnicos bem como criativos.

EQUIPAMENTO NECESSÁRIO: Máquina fotográfica com modo manual. Pode ser Reflex, Bridge, Compacta, etc. O que importa é que permita que o utilizador controle a medição da luz.

O preço é 30 euros para sócios do NAUA e 35 para não-sócios. Recordamos que as quotas anuais do NAUA, para quem desejar aderir, são de 5 euros.


Poderão contactar a organização atravás de naua@uac.pt ou da sua página no Facebook.

2013/11/27

Conferência "E agora Portugal? O que esperar para a economia portuguesa para os anos do após Troika?" - Professor João Duque


A Delegação Regional dos Açores da Ordem dos Economistas, com o apoio do Departamento de Economia e Gestão, da Universidade dos Açores, promove no próximo dia 29 de Novembro, pelas 18h15m, uma conferência com o Professor João Duque, intitulada "E agora Portugal? O que esperar para a economia portuguesa para os anos do após Troika?".

O Professor João Duque é professor catedrático e presidente do ISEG (Instituto Superior de Economia e Gestão), da Universidade Técnica de Lisboa.

A conferência é aberta ao público. Realiza-se no Auditório do Campus de Angra do Heroísmo.


2013/11/26

"Nós e os Livros" - "Três Ensaios sobre a Esperança" - 29 Novembro, 21h45




Na próxima sexta-feira o Padre Júlio irá apresentar três grandes obras sob o tema da Esperança. As obras são:

  • A Lenda do Grande Inquisidor. Esta história enquadra-se no seio do grande romance "Os Irmãos Karamazov", de Fiódor Dostoiévsky, e discute ideias sobre a natureza humana e a sua capacidade para agir em liberdade.
  • A Metamofose. Uma das obras mais conhecidas de Franz Kafka e com grande relevância literária ainda hoje, "A Metamorfose" relata a transformação de um caixeiro-viajante num insecto gigante, e todas as consequências que daí advêm na sua esfera familiar.
  • O Velho e o Mar. Esta é a última obra que Ernest Hemingway publicou em vida, e relata a luta entre um velho pescador, conhecido localmente pelo seu azar extremo, e um peixe de grande dimensão. São abordados temas como a honra, a compaixão e a dignidade.

As três obras pertencem, sem dúvida alguma, à grande literatura e exploram a natureza humana em situações limite. Será uma sessão a não perder!

2013/11/24

Semana da Agricultura Biológica e Palestra "No Mundo de uma Raíz", 25 de Novembro, 19h00




No âmbito das comemorações do Dia Internacional da Cultura Científica e Tecnológica (24 de novembro), o CCAH - Centro de Ciência de Angra do Heroísmo - organizou este ano um "Mês da Ciência" dividido por quatro semanas temáticas. Já decorreram a "Semana da Eletricidade" a "Semana das Ondas" e atualmente decorre a "Semana da Biologia" com um conjunto variado de atividades e experiências com grupos escolares.

Finalmente, para a próxima semana teremos a "Semana da Agricultura Biológica". O destaque para a próxima semana vai para a palestra "No Mundo de Uma Raiz" com Avelino Ormonde da Biofontinhas, no dia 25 de Novembro, segunda-feira, pelas 19h00 no CCAH.

Centro de Ciência de Angra do Heroísmo

Observatório do Ambiente dos Açores
Estrada Gaspar Corte-Real
9700-030 - Angra do Heroísmo
Telefone: 295217 845 e 295 218 462



2013/11/19

Protocolo com o Centro de Intervenção Psicológica e Pedagógica




Foi recentemente assinado um protocolo entre o Centro de Intervenção Psicológica e Pedagógica (CIPP) e a Associação de Estudantes. Falámos com Filipe Fernandes e Francisco Simões, psicólogos clínicos do CIPP.  
Qual o objetivo deste protocolo e quem são os beneficiários do mesmo?
A constituição do protocolo partiu do desejo de dar continuidade a uma colaboração entre o CIPP e a Universidade dos Açores (iniciada em 2005 e que cessou, por imperativos financeiros da Universidade, no final do ano lectivo 2011/2012), ao abrigo da qual mais de uma centena de alunos acederam aos serviços de Psicologia Clínica.
Com este novo protocolo, será recriada uma via privilegiada de acesso aos serviços proporcionados pelo CIPP, designadamente no que concerne à Psicologia Clínica e à Terapia da Fala, permitindo o acesso aos mesmos em condições muito vantajosas.
O protocolo assinado prevê o acesso de alunos do Campus de Angra da Universidade dos Açores aos serviços do CIPP, em condições muito vantajosas, que implicam uma redução dos honorários de 33% (no caso da Psicologia Clínica) e de 15% (no caso da Terapia da Fala). Após sugestão da Associação de Estudantes, e atendendo a solicitações existentes, estendeu-se a abrangência do protocolo aos docentes (e familiares directos) e funcionários (e familiares directos) do Campus, proporcionando uma redução de 15% no acesso aos serviços de Psicologia Clínica.
As condições propostas visam, igualmente, potenciar o acesso aos serviços do CIPP, numa conjuntura desafiante para a maioria das famílias e, em particular, para aquelas que possuem alunos a frequentar propostas de ensino promovidas pelo Campus de Angra.

É comum haver algum preconceito sobre o recurso a serviços de Psicologia Clínica e por vezes o problema poderia ser acompanhado mais cedo. Quais os sinais de alerta para situações destas e que conselhos dariam a quem necessita deste tipo de ajudas?
 A experiência que temos tido no CIPP é que a visão negativa no acesso a serviços de psicologia tem vindo a ser substituída por uma noção mais realista do significado do apoio psicológico. Isso deve-se, porventura, à ideia cada vez mais clara da parte das pessoas de que a saúde não se pode pautar, apenas, por um estado de bem-estar físico. Tal facto indica um padrão de maior exigência de cada um relativamente ao seu bem-estar. Por outro lado, a Psicologia Clínica tem por objectivo propor mudanças que gerem maior bem-estar pessoal e não apenas o tratamento de patologias, como muitas vezes, e de forma errada, se pensa. Contudo, é preciso reconhecer que a procura de apoio psicológico parte, normalmente, de sintomas que, na verdade, são apenas o sinal da necessidade de realizar essas mudanças. O prolongamento no tempo de mal-estar psicológico e físico associado ao stress, a estados emocionais negativos como tristeza ou ansiedade recorrentes, a alteração de rotinas como o sono ou o apetite ou as dificuldades de adaptação geral em relação a uma mudança muito significativa são, usualmente, os sinais subjectivos que levam a um pedido de ajuda. Agir o mais cedo possível, de modo a evitar que determinados comportamentos que causam dano não acabem por cristalizar ou para que as suas repercussões não sejam tão acentuadas são as duas recomendações gerais que nos parecem fundamentais.
Que outros serviços são prestados pelo CIPP?
No CIPP, além da Psicologia Clínica, proporcionamos serviços nos domínios da Terapia da Fala, do apoio pedagógico e das explicações, bem como da Orientação Vocacional e Profissional. Procuramos, igualmente, dotar a nossa acção de um cariz comunitário, dinamizando eventos ou respondendo a solicitações que nos são endereçadas por pessoas ou organizações.


 Qual a forma de contato com o Centro?
O Centro de Intervenção Psicológica e Pedagógica, que se situa na Rua do Galo, em Angra do Heroísmo, pode ser contactado pelo 918179638 ou pelo 966039216, bem como pelo endereço electrónico cipp@cipp-terceira.com. Aproveitamos para destacar o nosso novo site (www.cipp-terceira.com) e o nosso perfil de Facebook (www.facebook.com/CIPP.Terceira), onde partilhamos conteúdos relevantes das áreas do saber em que intervimos e diversos aspectos do quotidiano do CIPP. Aguardamos uma visita!

2013/11/18

Noites de Bruma - Serenata e Festival de Tunas Mistas


As "Noites de Bruma" estão de volta, perfumando o próximo fim-de-semana com a irreverência e melancolia dos cantares académicos.

No dia 22 de Novembro, grande Noite de Serenatas, às 21h30 na Igreja da Guia, no Museu de Angra do Heroísmo.

O Festival de Tunas Mistas realiza-se no dia 23 de Novembro, pelas 21h00, no Auditório do Ramo Grande, na Praia da Vitória.

Tunas convidadas:

- Phartuna - Tuna de Farmácia de Comibra
- Neptuna - Nobre Enfermagem Poderosa Tuna Universitária nos Açores

Extra-Concurso

- TUSA - Tuna Universitas Scientiarum Agrariarum
- Musa & Tuna - Tuna Académica Feminina da Universidade dos Açores

Organização da Tuna Académica Sons do Mar.

2013/11/15

Professor Mário Fortuna - reeleito diretor do Departamento de Economia e Gestão




Que papel tem tido o Departamento de Economia e Gestão (DEG) no desenvolvimento dos Açores?

O DEG tem tido um papel fundamental no desenvolvimento dos Açores quer por via da capacitação de profissionais nas subáreas da economia e da gestão quer através da promoção do empreendedorismo refletido em múltiplos projetos de empresas desenvolvidas por alunos que à sua capacidade técnica aliaram, também a sua capacidade empreendedora. Hoje quase não se encontra uma empresa ou um serviço público que não tenha um antigo aluno do DEG.
À capacitação através da formação dos recursos humanos, adiciona-se como contributo inquestionável do DEG o estudo dos mais diversos temas quer através do trabalho dos docentes quer através das muitas dissertações já concluídas com aplicações aos Açores.

Quais os principais desafios que o departamento tem pela frente?

Os desafios do DEG são, neste momento, a sua adaptação ao momento difícil por que passa a Região e, sobretudo, a Universidade, no sentido de manter a sua sustentabilidade, aspeto que está, em parte, cumprido com a acreditação dos cursos que o DEG assegura há já vários anos e com procura continuada. Resta consolidar e adaptar alguma da oferta pós graduada, evolução natural na qualificação dos recursos humanos na área. Esta formação pós graduada deverá assumir a forma de cursos de pós-graduação, mestrados e doutoramento.

Como se pretende afirmar o DEG no mundo universitário, por via duma clara vantagem competitiva, no que concerne à sua oferta letiva e centros de investigação

A afirmação do DEG tem-se feito sempre através da qualidade dos seus programas, da qualidade do ensino e da qualidade da investigação. A componente do ensino é avaliada pela A3ES e, neste específico, com já referido, temos tido bons desfechos com a acreditação dos cursos principais. Na componente de investigação os resultados foram, também, muito positivos com a avaliação do CEEAplA com a classificação de Muito Bom.
Temos o desafio imediato de avaliação do CEEAplA que esperamos virá a ter um desfecho positivo, mais uma vez.

Após quatro anos de funcionamento do curso de Gestão no Campus de Angra do Heroísmo, qual o balanço que faz desta decisão?

O balanço do curso na Terceira é, no nosso entender, muito positivo. Respondeu-se a uma procura efetiva e consolidou-se o curso com um corpo docente que se vai aperfeiçoando na lecionação do programa já mais do que testado em S. Miguel. Foi uma aproximação positiva ao mercado gerando-se a massa crítica necessária para uma oferta não só positiva para o meio com também rentável para a Universidade. Houve uma combinação virtuosa dos objetivos da Universidade, da comunidade e dos alunos.

2013/11/11

"The Work Shop"


A Associação para a Ciência e Desenvolvimento dos Açores (ACDA) está a organizar, em conjunto com o DCA, a APDR e o CEEAplA um workshop para criar interação entre os estudantes e o meio empresarial.

É um encontro que visa dinamizar ideias entre potenciais empregadores, públicos e privados, o sistema de ensino, profissional e universitário, recém licenciados e alunos de ensino superior. O encontro terá sessões paralelas e mesas redondas onde serão debatidos casos de sucesso e insucesso, perspetivas futuras e necessidades de mercado.

Temas das sessões paralelas: Saúde, História, Sociologia, Psicologia, Educação, Ambiente e Energia, Gastronomia, Qualidade e Segurança Alimentar, Engenharia, Agricultura, Gestão e Economia, Turismo, Informática, Filosofia e Biologia

DATAS IMPORTANTES

  • Até 20 de Novembro - Receção de resumos
  • 24 de Novembro – Comunicação de aceitação dos resumos
  • Até 10 de Dezembro - Submissão do artigo completo, por email
  • Até 10 de Dezembro - Inscrições no Workshop
  • 20 de Dezembro - Realização do Workshop

PROGRAMA

Dia 20 de Dezembro
09H00 – 09H30 | Recepção dos participantes
09H30 – 10H00 | Sessão de Abertura
10H00 – 10H45 | Mesa Redonda I
10H45 – 11H00 | PAUSA
11H00 – 12H30 | Sessões Paralelas I
12H30 – 14H00 | INTERVALO PARA ALMOÇO
14H00 – 15H30 | Sessões Paralelas II
15H30 – 16H00 | PAUSA
16H00 – 17H30 | Mesa Redonda II
17H30 – 18H00 | Sessão de Encerramento


Para mais informação contactar a ACDA - acdazores@gmail.com
http://acdazores.weebly.com/
www.facebook.com/acdazores

2013/11/10

Musa & Tuna - a nova presença musical no campus de Angra


Sofia Dutra, Relações Públicas da Musa & Tuna, frequenta, desde 2010, a licenciatura em Engenharia e Gestão do Ambiente. A Musa & Tuna tem como presidente Cláudia Melo  e como Magister, Carla Cipriano.


Quando surge a Musa & Tuna?

Este projeto surge no dia 28 de Fevereiro de 2011, quando um grupo de seis amigas, que tendo a mesma paixão em comum pela música se unem, para fazer algo diferente e divertido, umas sabiam tocar instrumentos e outras cantar e assim nasce a Tuna “Musa & Tuna”.



A apresentação da Musa & Tuna decorreu no sábado passado, dia 2 de Novembro. Que balanço fazes desse momento?

A apresentação do dia 2 de Novembro foi fruto de um longo e árduo trabalho tendo como resultado uma excelente apresentação. Correu tudo muito bem as vozes estavam afinadas, os instrumentos bem tocados e as pandeiretas e o estandarte bem coordenadas, como era desejado.


Quais são os planos mais imediatos para a Musa & Tuna? Onde vos poderemos ver? E a médio-longo prazo, o que gostariam de fazer?

Os planos mais imediatos para a Musa & Tuna, são de continuar a fazer um trabalho que agrade tanto a nossa comunidade estudantil, como o público em geral, sempre com o intuito de espelhar a verdadeira essência do espírito académico e acima de tudo, tentar levar o mais longe que conseguirmos o nome da Tuna e da nossa universidade dos Açores. A Musa & Tuna, já tem disponível o seu site. Nele, publicamos todos os convites para atuações, eventos, festivais, etc., assim como, os locais, datas e horas das mesmas.

A médio-longo prazo temos um projeto que já esta a ser trabalhado, que a seu tempo saberão. Além do que, estamos a construir mais musicas originais, a Boémia e o Instrumental, para enriquecemos e diversificarmos o nosso cancioneiro.




Sofia, obrigada pela entrevista e votos de felicidades e sucesso para a 'Tuna & Musa'!

2013/11/09

FIPED - Fórum Internacional de Pedagogia 2014



O FIPED Portugal IV vai ter lugar a 4 e 5 de Abril de 2014. O FIPED é um espaço para os alunos apresentarem os seus trabalhos de investigação, contribuindo para o enriquecimento de currículos e de pessoas. É também um espaço para aprender, em particular para os alunos que pretendam participar sem apresentar trabalhos, quer com as apresentações dos colegas, quer com as oficinas.

Embora ainda estejam distantes as datas de inscrição, agora é o momento ideal para começar a pensar em nos projectos de investigação a desenvolver. 

Incentivamos vivamente os estudantes e professores do campus a participar neste evento que é sempre um espaço de alegria, aprendizagem e de crescimento, e que tem acolhido trabalhos de todas as áreas do conhecimento por cá trabalhadas.

VENHAM!

2013/11/07

"Investigação para um Currículo Relevante" - apresentação de livro de Francisco Sousa


 
Francisco José Rodrigues Sousa, professor auxiliar no Departamento de Ciências de Educação, em Angra do Heroísmo, apresenta no próximo dia 9 de Novembro, pelas 18h00, o livro "Investigação para um Currículo Relevante", de qual é co-autor. A apresentação está integrada no programa do Outono Vivo 2013, a decorrer na Praia da Vitória.
 
Que respostas para a comunidade educativa podem ser encontradas no livro "Investigação para um Currículo Relevante"?
 
O livro evidencia que um trabalho sério de investigação-ação orientado para o estudo de problemas sentidos por profissionais da educação pode contribuir decisivamente para a resolução ou para a atenuação desses mesmos problemas. No caso particular do projeto ICR, do qual resulta esta publicação, um dos principais problemas abordados foi o desinteresse revelado por muitos alunos em relação à escola e ao currículo. O projeto orientou-se predominantemente para a compreensão das causas desse desinteresse ou alheamento, tomando por referência a hipótese de que ele estava associado a um défice de reconhecimento, por parte desses alunos, da relevância do currículo para a sua vida extraescolar. Com base nessa compreensão, foram delineadas estratégias de ensino através das quais se procurou aumentar, junto dos alunos, a consciência de que aquilo que os professores tentam ensinar-lhes na escola tem uma importância que não se esgota na própria escola, ou seja, não serve apenas para alimentar respostas a testes escritos. É conhecimento útil para a compreensão do mundo à sua volta e para a intervenção nesse mesmo mundo.
 
 
Em que consiste o processo de investigação colaborativa?

No caso particular da investigação em educação, consiste numa abordagem à investigação que implica a constituição de equipas nos quais todos têm o estatuto de investigadores - os universitários e os profissionais do ensino não superior -, no pressuposto de que todos possuem conhecimentos e competências importantes para a produção de conhecimento sobre a realidade educativa. Os primeiros porque têm, em princípio, uma formação mais avançada em investigação, que os torna capazes de transformar problemas que tendem a ser enfrentados de forma intuitiva em problemas abordáveis de uma forma metódica, que conduza à produção de conhecimento sólido e comunicável sobre esses mesmos problemas. Os últimos porque, num certo sentido, conhecem os referidos problemas melhor do que ninguém, sentem-nos "na pele" como ninguém, pelo que o seu contributo para a caraterização dos casos a estudar é indispensável. Não se trata, portanto, de uma abordagem à investigação em que investigadores externos (os universitários) se deslocam às escolas para recolher dados e os profissionais que trabalham nessas escolas desempenham o papel de fornecedores de dados. Trata-se, isso sim, de uma abordagem em que todos têm o estatuto de membros de uma equipa de investigação e a todos são reconhecidas competências úteis ao avanço do processo de investigação, numa perspetiva de complementaridade.
 
 
Este livro é um ponto de chegada ou de partida?

É um ponto de chegada na medida em que relata um projeto cujas atividades já estão encerradas. Poderá ser também um ponto de partida se contribuir para o surgimento de novos projetos de natureza semelhante. Mas o eventual surgimento de novos projetos de natureza semelhante depende de muitos fatores. Depende sobretudo, na minha perspetiva, da criação ou não de condições para que o trabalho dos professores investigadores seja reconhecido e valorizado. O projeto ICR dependeu em demasia do entusiasmo, dedicação e boa vontade de alguns professores. São necessários outros incentivos. E não me refiro necessariamente a incentivos de natureza monetária ou material. Refiro-me, por exemplo, à possibilidade de a participação em projetos deste tipo ser mais valorizada em sede de avaliação do desempenho docente nos ensinos básico e secundário.

2013/11/06

Circus caloirus



A festa continua no Campus de Angra, desta vez com o Circus Caloirus, praxe inserida no calendário da Comissão de Praxes 2013/2014, no Cristovão pelas 21:00.

2013/11/05

Professor Alfredo Borba - reeleito diretor do Departamento de Ciências Agrárias


Recentemente eleito para um novo mandato na direção do departamento de Ciências Agrárias, quais os principais desafios que tem pela frente?

Neste momento temos dois tipos de prioridades, as imediatas e as prioridades a médio logo prazo. De imediato temos que assegurar o funcionamento do ano letivo, o mais normal possível, depois deste arranque que podemos dizer ter sido catastrófico. A médio - longo prazo, temos que assegurar uma reestruturação do Departamento e a sua inserção dentro do Campus da Angra do Heroísmo, de forma a tornar este forte e dinâmico. O Departamento de Ciências Agrárias não é o Campus, mas é essencial a conjugação de todos os elementos constitutivos desse mesmo Campus, para este ser uma realidade cada vez mais pujante.


Que papel tem tido o DCA no desenvolvimento dos Açores?

Nos seus trinta e oito anos de existência o Departamento de Ciências Agrárias, conseguiu ser uma força que contribuiu, de forma decisiva, para criar a Região tal como hoje a conhecemos, formando a maioria dos técnicos que atuam nos Açores nas áreas da Agricultura e do Ambiente.


A ciência, a investigação e as empresas, é uma ligação que nem sempre é fácil de alcançar. Considerando a investigação que neste momento é desenvolvida aos vários níveis no DCA, perspetiva uma alteração a este nível? Que exemplos gostaria de realçar?

A investigação científica sofre, na maioria dos casos, um forte revés nos últimos dois anos. Toda a investigação ligada à Universidade, isto é, que não estava deslocada para centro exteriores, como a Fundação Gaspar Frutuosos, foi reduzida praticamente a nada. Os investigadores tiveram de fazer um grande esforço de redireccionamento dessa investigação, arranjar novas fontes de financiamento e começar, em muitos casos praticamente do zero. Este facto teve repercussões importantíssimas na produção científica do DCA, na composição das suas equipas de investigação e na sobrevivência de algumas outras. Para o futuro temos que recomeçar, em muitas áreas de novo, arranjar parceiros estratégicos e continuar a ser um pólo de desenvolvimento da área da agricultura e ambiente, como temos sido ao longo dos últimos 38 anos.


Como se pretende afirmar o DCA no mundo universitário, por via duma clara vantagem competitiva, no que concerne à sua oferta letiva e centros de investigação?

O DCA tem que reajustar a sua oferta letiva, nomeadamente na área das Ciências do Ambiente, e estabelecer parcerias estratégicas com outras instituições nacionais. Como o caso recente do protocolo estabelecido com a Faculdade de Ciências e Tecnologias da Universidade Nova de Lisboa, ou de outros que estão em andamento, como o com o Instituto Superior de Agronomia, no que concerne à Arquitetura Paisagística.

No que diz respeito aos Centros de Investigação, vamos assistir a um rearranjo, com a nova candidatura à FCT, prevendo-se a integração de equipas em Centros de outras Instituições de Ensino Superior e a candidatura de um Centro do Departamento, o Centro de Investigação e Tecnologias Agrárias dos Açores (CITA-A).

2013/11/04

Entrevista com Hugo Cró, presidente da Associação de Estudantes da Escola Superior de Enfermagem de Angra do Heroísmo



Hugo Francisco Rodrigues Cró, natural do funchal, é aluno da licenciatura em Enfermagem, na Escola Superior de Enfermagem de Angra do Heroísmo, Universidade dos Açores, e desde o ano letivo 2010/2011 é presidente da Associação de Estudantes respetiva. Neste momento encontra-se a estagiar na Bulgária, ao abrigo do programa Erasmus.


 Qual o balanço que fazes do último ano letivo? 

Apesar das limitações por falta de recursos, humanos e financeiros devido à situação económica da UAC, poderei referi que superou as espectativas. As aulas decorreram normalmente, e conseguimos alcançar os objetivos propostos. Do mesmo modo conseguimos realizar as várias atividades sociais, comunitárias e formativas.

 

Qual a atividade mais emblemática da associação desenvolvida neste último ano letivo?

Foi a co-organização entre a Associação de Estudantes da Escola Superior de Enfermagem de Angra do Heroísmo (AEESEnfAH), da Universidade dos Açores, Fundação Internacional Make-a-Wish Portugal em parceria com a escola e o Núcleo Regional dos Açores da Liga Portuguesa Contra o Cancro. O projeto de ação, para o ano letivo de 2012/2013, o envolvimento em causas sociais e comunitárias, realizada a 5 de Abril do presente ano, na Praça Velha de Angra do Heroísmo, que resultou numa angariação de fundos e um evento.

 
Devo realçar outros projetos, tais como, Enfermolândia que teve e tem como ação o envolvimento com a comunidade com vista a alargar a rede de contribuição mútua, ou seja, é um conjunto de iniciativas, que contribuíram para alargar o conhecimento teórico-prático, bem como, promover o bem-estar fisico, psiquico, social e espiritual dos estudantes e de todos os participantes, nesse movimento de saúde.  A Enfermolândia está dividida em 4 eixos: a Formação, a Comemoração Académica, o Evento e a Ação Social. 

 


E por fim, Os Minutos de Enfermagem que teve como a finalidade de aproximar e dar a conhecer a Escola de Enfermagem da ilha e a sua Associação de Estudantes promovendo uma ligação próxima, dos futuros profissionais de saúde que aqui se formam, com o meio envolvente. São lançados desafios temáticos, com regras pré determinadas, às turmas ou grupos de alunos, com o mote «Está na Hora de pores a Tua Criatividade a Promover Saúde!!». Assim conseguir-se-á um melhor nível de bem-estar tanto dos estudantes como dos destinatários desta ação desafiadora.

Quais as atividades que estão previstas para o ano letivo 2013/2014?

Dar continuidade aos mesmos projetos (Enfermolândia e Minutos de Enfermagem), através dos mesmos e de novos parceiros, assim como, continuar com as metas proposta (Lista H) desde o anterior mandato, que são: continuar Com e Pelo Humanismo (um exemplo de Integração Comunitária que deve ser mantida); continuar Com e Pela Humanidade (um exemplo de Respeito Mútuo que deve ser mantido); continuar Com e Pela Honra (Cumpriremos); continuar Com e Pela Heterogeneidade (um exemplo de aceitação da diferença que deve ser mantido) e continuar Com e Pela Honestidade (um exemplo real de Dedicação à Verdade).

É o que acreditamos e vamos mais uma vez Continuar a ser o Exemplo!  



Como vês a situação atual da Universidade dos Açores e como poderão os alunos contribuir para melhorar a situação?

Como é do conhecimento geral, a situação da nossa Universidade não é muito favorável quer para os alunos quer para os docentes que integram esta instituição, estamos a atravessar um dos períodos mais críticos dos últimos anos desde a falta de recursos humanos a materiais, falta de verbas e apoios e é claro que se sente na comunidade universitária, especialmente os alunos. Devem ser criados núcleos (ou recorrer junto da Associação de Estudantes) especializados onde os alunos possam opinar, sugerir, discutir e esclarecer-se acerca da situação actual da Universidade e quem sabe dar contribuições pertinentes. Os professores devem, igualmente, servir como parte interventiva assumindo um papel de orientador. Esperamos também que os alunos tenham fé na instituição e acreditar que há uma possibilidade de vencermos estes tempos menos bons, porque estas são as alturas em que a criatividade sobressai.